O que vai acontecer nas redes sociais em 2014? 10 importantes previsões de especialistas

por Pedro Katchborian | 3 dezembro 2013

futuro-redes-sociais

As redes sociais, assim como o jeito como nos comportamos nelas, está em constante evolução. Em 2013, acompanhamos o uso delas para as mobilizações sociais, além do impacto ainda maior sobre a forma como consumimos conteúdo. O que 2014 reserva para os usuários de redes sociais? Pensando nisso, a Scup convidou 50 profissionais especialistas em redes sociais para apontar as tendências para o ano que vem. Selecionamos trechos das 10 mais legais e que tem mais a ver com você – o usuário. Pra ver a lista completa, é só clicar aqui.

 

1) O enfraquecimento do Facebook

“O Facebook mostra sinais de fadiga. Jovens adultos da Europa e adolescentes dos Estados Unidos já tiraram férias ou declararam independência dessa rede. E como no Brasil a tendência de comportamento digital chega naturalmente, com um suave atraso, me parece bastante provável que esse cansaço de Facebook se manifeste por aqui ao longo do próximo ano”

Ana Brambilla – Editora de mídias sociais na Editora Globo e professora do Master em Jornalismo do IICS e da pós-graduação em Jornalismo Multimídia da FAAP.

 

2) O fenômeno das duas telas ainda mais forte

“Acredito muito na convergência de duas tendências que trarão ainda mais relevância para as mídias sociais no nosso cotidiano: o aumento considerável no uso de plataformas móveis como meio principal ou único de acesso às redes e uma evolução no uso dos perfis em redes sociais como identidade digital. A concorrência dessas duas tendências determina, a meu ver, um incremento considerável na captação de conteúdos – principalmente de fotos e vídeos, aos quais serão associados dados apurados pelo dispositivo e compartilhados via redes sociais – e o uso crescente do dispositivo como plataforma de validação da identidade digital, como um passaporte”

Sérgio Boeck Ludtke – Diretor de Interatores.com e coordenador do Programa Avançado em Jornalismo Digital do Instituto Internacional de Ciências Sociais

 

3) A integração com movimentos sociais

“As mídias sociais se tornarão lugar-comum para a integração da sociedade. São exemplos disso o levante popular para a derrubada em 2011 do então presidente do Egito, Hosni Mubarak, bem como seu uso para a eleição do presidente dos EUA Barack Obama em 2008, e mesmo as manifestações que ocorreram no Brasil em 2013. Com isso, também será mais trivial e, ao mesmo tempo, imprescindível compreender a repercussão e o funcionamento de cada movimento via mídias sociais (que cada vez são mais integradas, perdendo a distinção entre “on-line” e “off-line”), com monitoramento e análise, como o que já ocorre, mas ainda de forma tímida, para negócios e estudos sociológicos, antropológicos, econômicos e políticos, uma vez que afetam poderes e a sociedade como um todo”

Leandro Hipólito – Monitoramento, Métricas e Análise de Mídias Sociais na hip – Hipólito Comunicação Digital

 

4) O wireless se torna mainstream

“As tecnologias wireless NFC/RFID vão se tornar muito mais mainstream. Vamos observar que essa tecnologia servirá de base de muitas mais campanhas em social do que já é o caso atualmente. Os adolescentes estarão mais concentrados nas plataformas de nicho em social media, aquelas que oferecem uma experiência privada, como Snapchat e Kik”

Leslie Orsioli – Sócia e co-fundadora da We Are Social Brasil

 

5) Facebook dará seus pulos

“Algo que achamos que sabemos é que dificilmente grandes plataformas tomarão o lugar do Facebook. Embora, é bem verdade, o Facebook já esteja num platô aqui e fora, sem espaço para a mesma aceleração de tempos atrás. Mas a empresa de Mark Zuckerberg é inteligente e rápida demais para perder o bonde de maneira avassaladora como ocorreu com o Orkut. Mesmo que percam usuários para plataformas de nicho ou outros concorrentes, vão dar um jeito de se adaptar, amalgamar ou comprar a empresa, ~porque podem.”

Marcelo Salgado – Gerente de redes sociais no Bradesco

 

6) Pressões no Twitter e decisões no Google+

“O ano de 2014 será marcado por fortes pressões no Twitter, que ingressa no mercado financeiro, e por um período de tomada de decisões sobre o futuro – e importância – do Google+. No Brasil, infelizmente, temo que o ano seja marcado pelo uso artificial da rede no universo político, que pode passar a impressão de que existe uma multidão a animar uma causa, quando na realidade é bem menor o número de pessoas protestando ou elogiando alguém.”

Rafael Sbarai – É editor de mídia social de VEJA, pesquisador e professor da pós-graduação de Jornalismo Esportivo e Jornalismo Multimídia da FAAP

 

7) Mobile comanda

“Se pudéssemos resumir todas as tendências em mídias sociais em 2014, certamente o conceito So-Lo-Mo – a combinação de conteúdo “Social, Local, Mobile” – seria o mais adequado.

Mobile puxará tudo. Tudo. Até o final de 2013, serão vendidos mais de 184 milhões de tablets em todo o mundo – 53% mais do que em 2012. Os smartphones já respondem por mais da metade das vendas mundiais de celulares – algo em torno de 1 bilhão de unidades. Mais que nunca, conectividade e mobilidade são palavras de ordem.”

Mariela Castro – Consultora em comunicação corporativa e novas mídias

 

8) Conteúdo em vídeo em alta

“Pelo que estamos vivenciando atualmente no mercado, acredito que cada vez mais o aumento dos conteúdos em vídeo estará em voga. Vimos em 2013 um crescimento forte do Vine, bem como uma grande mudança no Instagram, que se aproveitou de uma oportunidade aberta pelo Vine e consolidou o vídeo como um formato. Está cada vez mais fácil (sem entrar no mérito da qualidade) produzir esse tipo de conteúdo. Se isso tudo já aconteceu em 2013, e é um formato bem recebido e muito consumido pelas pessoas, eventualmente podemos esperar um fortalecimento no consumo de tais tipos de conteúdo para 2014, inclusive em novas plataformas.”

Giordano Moraes Damiani – Supervisor de Social Media na Agência CASA

 

9) Tecnologia de vestir pop

Está aumentando a olhos vistos a tecnologia vestível, como o Google Glass e os smartwatches ou relógios inteligentes. Com isso, muitas empresas vão começar a produzir e proteger sua reputação digital. Será assim porque a sua reputação em geral será apenas a sua reputação digital.”

Erik Qualman – Palestrante e autor dos livros “Socialnomics”, “Digital Leader” e “Crisis”


10) Tec por todo lugar

“Considerando que nos próximos 10 anos a tecnologia estará integrada nos ambientes e em cada um de nós – não será mais algo que você liga e desliga – e que isso mudará totalmente a experiência humana de viver, vejo os avanços das plataformas de atuação na rede como a principal tendência em 2014″

Monitoramento, curadoria e agregação, articulação e governança são os processos provocados na sociedade pela linguagem, pela informação. Da linguagem oral à eletrônica, que promete, se não o retorno, a valorização da cultura oral. Mídias sociais como Twitter, Google+, Facebook, LinkedIn, Pinterest, Tumblr, YouTube, Paper.li, Rebelmouse, Instagram, Scoop.it, Flipboard, Meddle e etc são plataformas pontuais, ferramentas, mídias.”

Rodrigo Lara Mesquita – Jornalista, Diretor Geral da Sagres e herdeiro do Estadão

Quem escreveu:

Pedro Katchborian / @pedrokatch

é repórter do youPIX. Queria ser paleontólogo, mas virou jornalista.
veja + posts do autor

Comentários: