O que aconteceu com a blogosfera brasileira?

por BIA GRANJA | 3 fevereiro 2015

youtubersandcid

Lembro quando, no ano passado, o Cid do Não Salvo, após ganhar mais uma vez o prêmio de blog do ano no youPIX, comentou comigo que o Não Salvo é a resistência. O que ele quis dizer é que, em uma premiação inundada de influentes que tem no vídeo seu principal formato criativo e de distribuição, ele é um dos únicos premiados que vem de outro ecossistema, a blogosfera.

E ele tem razão. Dos grandes nomes superstars da internet hoje, daqueles que tem uma legião de fãs que os cercam em eventos querendo selfies e autógrafos e protagonizam cenas “fã-ídolo” daquelas que a gente só via rolando com artistas de TV ou do rock, o Cid é o único que não é youtuber.

Não estou falando que o blog vai morrer, que quem bloga não tem relevância ou nada disso. Só estou dizendo que, desde que o Youtube entrou na jogada como ferramenta de expressão, os blogueiros perderam uma grande parte de sua grandeza e, em alguns casos, seu propósito.


space_30

2008 foi o ano da 1a Campus Party no Brasil, evento que serviu de cenário pra gravação do “Blogumentário” que, segundo matérias da época, serviu pra “desmistificar a ideia de que os blogs mudaram radicalmente a comunicação na internet”. Dá o play no trailer aí em cima e prepare-se para uma sessão de pura nostalgia. :)

Na época, um dos autores do documentário disse que os blogs não revolucionaram nada, já que produzir contéudo sempre foi da natureza do homem. Ele só ignorou o fato de que os blogs democratizaram bastante a produção e democratização da informação, conteúdo e entretenimento. Antes dos blogs, ter um canal de expressão com audiência sempre esteve ligado à ter poder financeiro. Produzir conteúdo todo mundo era capaz, mas vai distribuir isso pra uma audiência importante sem precisar ser dono dos canais de broadcast.

Ou seja, os blogs não mudaram a comunicação na internet. Eles mudaram a comunicação como um todo. Por que começaram a tirar das mãos de poucas famílias e veículos o poder de determinar o que era informação ou não. E também porque mudaram a cara desse conteúdo, já que eram pessoas reais fazendo conteúdo pra pessoas reais, sem firulas, rabos presos e outras coisas tão características da imprensa de hoje.

Em 2008, a notícia quente era a de que “blogueiros ganhavam muito dinheiro com suas páginas e se tornavam profissionais” e ser blogueiro era sinal de status, de ser convidado pra eventos, de ganhar brindes, viagens, mimos, tolhas brancas e tudo o mais.

Mas o blogueiro de ontem é o youtuber de hoje.

A blogosfera foi apenas um embrião de uma revolução que deu um salto mais do que quântico com o Youtube. Blog era legal e todo mundo na época achou que era algo fácil de se fazer, que poderia abrir um, sair escrevendo coisas diariamente e entrar pro rol da fama wébica. Mas a realidade não era bem essa. Blogar profissionalmente e desenvolver uma comunidade de leitores em torno de si nunca foi tarefa fácil.

Além disso, o fato do blog exigir uma linguagem textual era algo intimidador pra muita gente, que achava que era um desafio muito grande se expressar do texto. Por isso o Youtube fez tanto sentido quando surgiu. Ele nos libertou da necessidade de manjar de escrita e nos deu um canal poderoso em que podiamos explorar algo que dominamos muito bem: a linguagem oral. Assim, abriu-se de fato a porteira da expressão digital do brasileiro.

Do Guilherme Zaiden (quem lembra???? play no vídeo aí embaixo) aos dias de hoje, em que o maior canal do Youtube do país já tem quase 10 milhões de inscritos e a plataforma faz campanha de marketing, a brincadeira se profissionalizou e roubou dos veículos ~tradicionais~ a audiência jovem.

space_30

Os rockstars da nova mídia
As grandes celebridades da internet hoje são os youtubers. Os blogueiros tiveram que se reinventar. Muitos deles passaram por uma crise existencial e fecharam. Outros acabaram voltando a blogar em um âmbito extremamente pessoal e passaram a usar a influência e conhecimento adquiridos pra ganhar dinheiro de outras maneiras. Os mais inteligentes migraram rapidamente pra vídeo e hoje tem o youtube como canal principal pro seu conteúdo. E muitos outros acabaram se especializando em um tema bem específico e passaram a trabalhar sua audiência junto aos anunciantes com um víes de engajamento e não de pageviews.

Blogs que vivem estritamente de CPM no Brasil são raríssimos. Na verdade, não consigo lembrar de nenhum. Mesmo o Não Salvo, que tem audiência na casa de muitos milhões de visitantes mensais, não sobrevive de display media e sim de um mix de branded content (publis) e de sua própria imagem. (Não estou considerando aqui os blogs de moda, pois esse universo tem uma lógica totalmente diferente do resto da blogosfera).

Esses ~blogueiros sobreviventes~ tem hoje um outro tipo de posicionamento, principalmente frente aos anunciantes (que é quem paga a conta, neam?). Eles viraram referência dentro de nichos e temas específicos, são reconhecidos e influentes dentro de suas especialidades. Enquanto a fama mainstream ficou com os youtubers, assim como a audiência e, principalmente, o poder de trazer resultados impactantes pra ações de marcas.

space_30

Quando o Twitter surgiu disseram que o blog ia morrer (principalmente aqueles dedicados à curadoria de links e com pouca produção de conteúdo original – não valia a pena perder tempo fazendo um post no blog, bastava dividir o achado com a audiência conquistada na rede de microblog), quando o Youtube surgiu repetiram a profecia (é muito mais fácil falar do que escrever) e o Facebook também ia se tornar um grande assassino de blogs (“vou passar a produzir conteúdo na minha fanpage e distribuir meu trabalho onde todos estão, foda-se o wordpress”). Em todos os 3 casos a profecia estava errada.

Os blogs profissionais não morreram e nem vão morrer. Mas em um cenário cada vez mais dominado pelo vídeo, e aí incluimos Vine, Instagram, Snapchat e até Facebook Videos, o que vai acontecer com a blogosfera brasileira? Como e do que eles vão sobreviver? Devem continuar buscando uma audiência mainstream ou quanto mais nichados maior a chance de continuarem relevantes? Qual vai ser o propósito dos blogs daqui pra frente?

Você tem algum pensamento sobre os rumos do conteúdo digital brasileiro e sobre qual será o papel dos blogs no presente/futuro? Manda aí nos comentários!

 

 Em tempo –  Cid, desse ano você não escapa do Hors Concours, hein?

Quem escreveu:

BIA GRANJA / @biagranja

founder, publisher e curadora do youPIX.
veja + posts do autor

Comentários: